6 táticas ​​para aumentar suas vendas de comércio eletrônico rapidamente

Você pode ter seu próprio site de comércio eletrônico, onde vende produtos de qualidade e até executa campanhas pagas pensando que está fazendo tudo o que pode para ter sucesso. Mas é o suficiente? A parte mais difícil do trabalho é conseguir visitantes para o site e, em seguida, convertê-los em clientes.

Mesmo com uma ótima linha de produtos e sua credibilidade para atuar no mercado, existem certas formas de garantir que quem clica em seu site, fica e faz uma compra. Certas táticas podem garantir que isso aconteça.

Raul Galera, o gerente de parceiros da Referral Candy e Kata Gatzso, o especialista CRO da Optimonk, conduziram recentemente um webinar, discutindo seis táticas acionáveis ​​que podem ajudá-lo a aumentar as vendas em seus sites de comércio eletrônico nos Estados Unidos, mas que obviamente também podem ser aplicados no mercado Brasileiro. Baseamos este artigo na discussão deles e expandimos ainda mais suas ideias do webinar.

Quais são as 6 táticas acionáveis ​​para aumentar suas vendas de comércio eletrônico?

  • Taxa de conversão
  • Gerando tráfego do site
  • Email Opt-in
  • Reduza o abandono do carrinho
  • Clientes-alvo geográficos
  • Use a recomendação do produto

1. Taxa de conversão

Para um site de comércio eletrônico, a taxa de conversa é uma porcentagem de usuários que visitam o site e acabam comprando nele. Este percentual refere-se ao número total de visitantes e de quem está efetivamente comprando.

Enquanto para a maioria dos sites, o número pode variar de 1% a 3%, esse número certamente pode melhorar.

Como melhorar a taxa de conversão

Existem várias maneiras de melhorar as taxas de consumo, algumas mais eficazes do que outras. Compartilhamos algumas das melhores soluções acionáveis ​​aqui.

Imagens maiores

O Visual Website Optimizer conduziu um estudo revelando que imagens grandes de produtos aumentam as vendas em 9% .

“A maioria das compras é baseada em emoções e sentimentos; sempre queremos ver como fica o produto antes de recebê-lo em nossa casa. Essa é a principal barreira do comércio eletrônico, não podemos tocar no produto físico até recebê-lo. ” –  Raul Galera, gerente de parceiros, Referral Candy.

Uma imagem de alta qualidade; onde um cliente potencial pode ver o produto em detalhes, pode avaliar uma ideia decente sobre como o produto será, e é uma opção que é a segunda melhor para realmente inspecionar fisicamente o produto.

Selos de Confiança

Um estudo conduzido pela Blue Fountain Media revelou que a taxa de conversação em seu site aumentou 42%, apenas porque eles adicionaram um selo de confiança da VeriSign em sua página. Selos de confiança como esse fornecem aos sites de comércio eletrônico a credibilidade necessária, uma vez que lidam com transações financeiras.

Ao adicionar emblemas de confiança como McAfee Secure, Hacker Safe e VeriSign, etc., os sites podem ganhar a confiança de seus visitantes e convertê-los em clientes.

Conteúdo gerado por usuários

Embora as fotos profissionais possam ter uma aparência estética muito melhor em um site, o conteúdo gerado pelo usuário, como avaliações e fotos tiradas por clientes que não têm afiliação com a loja, resulta em mais vendas, pois dá à loja muito mais credibilidade.

“O feedback do cliente é como o melhor dos dois mundos, conteúdo gerado pelo usuário e avaliação do cliente.” –  Raul Galera

É um fato documentado que as avaliações dos clientes, especialmente as avaliações com fotos orgânicas, aumentam as taxas de conversão em 26% . Portanto, é essencial que o seu site inclua uma seção de feedback de destaque dedicada ao conteúdo gerado pelo usuário, fornecendo aos seus clientes incentivos para deixar comentários com fotos para aumentar a credibilidade do seu site.

Sistema de chat ao vivo

Um sistema de chat ao vivo elimina a necessidade de os clientes preencherem formulários tediosos se quiserem que suas dúvidas sejam respondidas e, então, ter que esperar para receber uma resposta da loja. Com múltiplas alternativas e opções disponíveis no mercado, os clientes têm períodos curtos de atenção, principalmente na internet. Caso necessitem de informações específicas, estas devem ser fornecidas no local.

Um sistema de chat ao vivo é uma opção de mensagem em um site de comércio eletrônico, onde os clientes podem falar com um representante de atendimento ao cliente em tempo real. Este serviço oferece uma janela para que o cliente tenha suas dúvidas resolvidas instantaneamente. Embora contratar uma equipe de atendimento ao cliente para responder às mensagens possa custar um pouco no início, é um bom investimento, pois a opção de chat ao vivo melhora significativamente a retenção de clientes.

2. Gerando tráfego do site

Uma empresa de comércio eletrônico depende principalmente de seu site. Portanto, é mais importante primeiro gerar tráfego no site do que qualquer outra coisa. As taxas de conversão e outras técnicas funcionarão apenas se houver uma base de visitantes para o site. Existem algumas maneiras de gerar tráfego para seu site de comércio eletrônico.

Otimização de mecanismos de pesquisa (SEO)

SEO é o processo de afetar a visibilidade de um site ou página da web em um mecanismo de pesquisa sem pagar pelos anúncios.

“ 30,5%  de todo o tráfego de comércio eletrônico se origina de SEO.” –  Raul Galera

Alguns setores este índice pode ser bem superior. É o caso por exemplo do setor de sexshop online, que possuem sites com mais de 700k visitas orgânicas por mês, tendo categorias como a de preservativos com mais de 100k de buscas mensais.

Os mecanismos de pesquisa definem principalmente as regras para o SEO, e você deve seguir essas regras para se classificar melhor nas pesquisas na Internet. Existem algumas maneiras de fazer isso.

Por exemplo, Google e Facebook dão prioridade ao conteúdo de vídeo sobre texto e imagens. Portanto, ter mais conteúdo de vídeo em seu site de comércio eletrônico, como tutoriais de produtos e outros vídeos envolventes, pode ter mais benefícios para você online.

Da mesma forma, o Google também valoriza o Conteúdo Longo em vez de informações curtas ou não descritivas. Diversos conteúdos sobre seus produtos podem ajudá-lo a se classificar melhor online. O conteúdo pode incluir descrições de produtos, análises, estudos de caso, etc.

Infraestrutura do site

Um site de abertura rápida, fácil navegação e um menu descomplicado fazem uma diferença significativa para o visitante. Os mecanismos de pesquisa não apenas classificam melhor esses sites, mas esses fatores também ajudam a reter clientes em potencial e proporcionam a eles uma experiência tranquila

Portanto, é essencial ter um site que seja fácil de navegar, rápido de abrir e que também seja compatível com dispositivos móveis.

Marketing de influência

O marketing de influência é outra excelente forma de gerar tráfego para o seu site. O público em geral se tornou imune aos métodos convencionais de marketing.

A superexposição e o aumento do conhecimento sobre a mídia levaram a um declínio acentuado no impacto causado pelo endosso de celebridades. As pessoas entendem que a celebridade está apenas promovendo um produto por dinheiro, que não o usa pessoalmente ou tem qualquer apego ao produto.

“O marketing de influenciador está a meio caminho entre um anúncio e a indicação de um amigo.” –  Raul Galera

Influenciadores são pessoas que têm fãs moderados e construíram sua credibilidade em um determinado campo. Por exemplo, existem muitos modelos de ‘gurus da beleza’ no YouTube e Instagram com uma grande base de seguidores que são considerados influenciadores.

Os produtos que eles endossam em suas páginas se tornam imensamente populares, pois as pessoas tendem a confiar que estão realmente usando os produtos. Portanto, quando uma indicação vem deles, as pessoas levam muito mais a sério.

3. Email Opt-in

A opção Email Opt-in é uma opção para os clientes que eles podem selecionar se quiserem receber emails de um site. Esses e-mails são uma ótima fonte de marketing e para manter uma base de clientes leais.

Ao optar por receber esses e-mails, o cliente pode ficar por dentro do que está acontecendo na empresa, ficar por dentro de novos produtos, saber de todas as novidades e descontos ou fazer compras diretas.

No entanto, é essencial manter as coisas simples. Os e-mails são a espinha dorsal da comunicação profissional, por isso ninguém aprecia spam em sua caixa de entrada. A mensagem deve ser cativante, mas concisa, e se incluir um incentivo para o cliente visitar o site e comprar algo, melhor será.

Você pode coletar os endereços de e-mail dos visitantes em sua página de destino, por meio de uma mensagem pop-up que deve aparecer depois que o cliente passar alguns segundos em seu site. Para tornar as coisas interessantes, você também pode perguntar aos seus clientes, por meio de jogos e ofertas, quando eles estão prestes a fechar a página.

4. Reduza o abandono do carrinho

“Apenas cerca de 2% dos visitantes acabam fazendo vendas em sites de comércio eletrônico, o que significa que 98% das pessoas no site deixam de fazer isso.” –  Kata Gazso, especialista CRO, Optimonk.

Embora isso nos diga que nem todas as pessoas que visitam sites de comércio eletrônico acabam fazendo uma compra, o pior é quando as pessoas abandonam os itens em seus carrinhos e vão embora por um motivo ou outro.

É importante lembrar essas pessoas de que elas têm itens pendentes no carrinho, incentivando-as a finalizar a compra. Você pode lembrá-los por meio de pop-ups ou notificações que incluem ofertas com limite de tempo que os incentivaram a concluir a compra. Por exemplo, você pode oferecer um desconto se concluir a compra dentro de um período especificado.

Você pode incentivar seus clientes tornando o processo de checkout simples. Quanto mais difícil, confuso ou demorado for o processo de checkout, mais as pessoas abandonam seus carrinhos. Você pode simplificar o processo solicitando apenas informações básicas de contato e faturamento. Você sempre pode contatá-los mais tarde, se necessário. Você pode manter o abandono do carrinho ao mínimo adotando esta prática.

5. Clientes-alvo geográficos

Você está em uma posição única, pois tem uma mina de ouro de dados de clientes à sua disposição. Como você conhece os endereços IP, a localização e o horário da visita de seus visitantes, pode personalizar a experiência dos visitantes de acordo com sua região para fornecer o melhor serviço possível.

Por exemplo, se um cliente do Canadá estiver visitando seu site e você oferecer frete grátis para toda a América do Norte, anuncia esse fato para que ele seja incentivado a comprar. “Uma má política de envio ou confusão pode afastar um cliente.” –  Kata Gazso

Você deve utilizar a segmentação por IP geográfico e aprender as origens de seus visitantes para que possa antecipar melhor as necessidades de seus clientes e melhorar suas taxas de retenção.

6. Use a recomendação do produto

Por último, é essencial informar os seus clientes sobre os melhores ou mais populares produtos do seu site para que possam fazer uma compra. Um cliente não pode saber sobre todas as coisas legais que seu site tem a oferecer – mas com sua visão única sobre os hábitos de compra dos clientes, você pode torná-los cientes.

Por exemplo, se um cliente está visitando a página de um produto com uma alta taxa de conversão, você pode recomendar uma página semelhante com uma alta taxa de conversão na qual ele possa estar interessado.

Ou se ele estiver olhando para um determinado produto, como sapatos, você pode recomendar junto com ele um produto complementar, como meias ou limpador de sapatos. Você já está ciente das escolhas de seus clientes, capitalize o conhecimento!

Conhecendo o público

Embora todas essas dicas ajudem a aumentar suas vendas de comércio eletrônico, o fator mais importante a ser lembrado é entender seus visitantes. Kata Gatzso divide esses visitantes nas categorias de ‘Perspectivas quentes’ e ‘Perspectivas frias’.

Enquanto os clientes em potencial são visitantes que têm maior probabilidade de comprar um produto e podem exigir pouca orientação ou interferência em sua experiência no local, os clientes em potencial são novos visitantes que podem precisar ser informados sobre o site e seus produtos antes de fazerem a compra final.

Prospects quentes e frios são identificáveis ​​por meio de suas origens de tráfego. Enquanto o primeiro terá endereços IP de retorno e buscará itens específicos, o último chegará no site navegando por conteúdo genérico e com novos endereços IP.

Uma vez identificados, é importante tratá-los adequadamente, para que você possa aumentar suas vendas de forma eficiente, sem desperdiçar recursos e esforços.

Muitas pessoas sonham em se tornar seu próprio chefe e construir seu império a partir do zero, e até mesmo a abrir uma empresa nos EUA.

Se você estiver se mudando ou morando nos Estados Unidos, e pretende embarcar na grande aventura do empreendedorismo, deve planejar cada etapa, começando com os procedimentos. 

Obviamente, existem questões relacionadas aos vistos e ao registro da empresa a nascer.

Como em qualquer outro lugar, iniciar um negócio nos Estados Unidos requer pesquisa de mercado, um plano de negócios sólido e capital. 

A Administração de Pequenas Empresas dos EUA é uma agência oficial do governo cuja missão é ajudar e aconselhar os proprietários de pequenas empresas.

Os estrangeiros que desejam iniciar seus negócios nos Estados Unidos e que não possuem um Green Card estão sujeitos a três tipos de visto: E-1 Trader Visa, E-2 Investor Visa e EB-5 Immigrant Investor Visa.

O visto E-1 Trader

Um visto é destinado a gerentes ou especialistas envolvidos no comércio internacional. Permite que eles entrem nos Estados Unidos e continuem negociando. 

Nesse caso, “comércio” inclui transações comerciais com mercadorias ou serviços, como bancos, seguros, turismo ou consultoria.

O visto E-2 para investidores

Este visto permite que expatriados iniciem um novo negócio ou comprem um negócio existente que eles gerenciarão diretamente. Os valores do investimento variam de acordo com o tipo de empresa e, embora seja um visto de não-imigrante (não leva à cidadania), é válido por tempo indeterminado, desde que você continue gerenciando a empresa.

O visto EB-5 para investidores imigrantes

Também chamado de “Green Card de um milhão de dólares“, esse visto é para quem investe ativamente capital em um negócio novo ou existente. O investimento mínimo é de US $ 500.000 para áreas rurais ou US $ 1.000.000 para áreas urbanas. 

Você deve provar que seus fundos provêm de uma fonte legítima e que seu investimento criará pelo menos dez empregos em período integral. Com este visto de investidor, você pode obter um Green Card para residência permanente.

Estrutura corporativa nos Estados Unidos

A escolha da estrutura é uma etapa inicial e crucial na criação de um negócio. Esta etapa determinará a tributação, quem é responsável pelo risco financeiro e pelo ganho e quem tomará as decisões pela empresa. 

As estruturas legais mais comuns são: Corporação (empresa), Sociedade de responsabilidade limitada (sociedade de responsabilidade limitada), Parceria (parceria geral) e Propriedade exclusiva (propriedade exclusiva).

Propriedade exclusiva

A empresa pertence a uma pessoa. Ativos e passivos não são separados das contas pessoais do proprietário. Esse tipo de negócio é ideal para empresas de baixo risco ou para aqueles que desejam testar uma ideia antes de aumentar o capital para uma empresa mais formal.

A Parceria

Essa estrutura de dois ou mais proprietários oferece diferentes níveis de proteção de ativos. Com esse modelo, os parceiros que assumem mais riscos também têm mais controle dos negócios.

Empresa de responsabilidade limitada

Também chamado de LLC, este modelo oferece uma combinação entre parceria e negócios. Na maioria dos casos, os bens pessoais são garantidos em caso de falência ou processo judicial. Observe que, nesse modelo, os proprietários são considerados autônomos e são obrigados a pagar todas as contribuições fiscais associadas.

The Corporation

Com status estritamente reservado para grandes empresas, a Corporação protegerá com segurança os proprietários de qualquer responsabilidade pessoal. No entanto, esse modelo é mais caro para criar e requer registros e relatórios mais detalhados.

Importante: lembre-se de que as formalidades e procedimentos legais variam de estado para estado. 

Não hesite em procurar a ajuda de um contador ou advogado tributário para obter esclarecimentos ou informações adicionais sobre os procedimentos legais específicos do seu estado.

Registrando sua empresa

Depois de escolher a estrutura legal para o seu negócio, você precisará seguir várias etapas para registrar seu negócio e torná-lo uma entidade legal. Essas etapas se complementam e devem ser concluídas antes da operação legal nos Estados Unidos.

O nome da sua empresa precisará ser registrado no governo federal e estadual. Observe que o nome da sua empresa deve ser exclusivo e não pode ser usado por nenhuma outra empresa dos EUA. 

Depois que o nome da empresa for registrado, você precisará solicitar: números de identificação fiscal estaduais e federais, bem como as licenças e autorizações necessárias. Por fim, você precisará abrir uma conta bancária em nome da empresa, que receberá o dinheiro da sua empresa.

empreendedores iniciantes

Está em busca de dicas de gestão? Se sim, pode ser que você esteja iniciando agora e esteja curioso para saber como fazer isso com o pé direito! Se é este o seu caso, leia os tópicos a seguir, onde encontrará os melhores conselhos.

1.    A primeira das dicas de gestão: planeje seus objetivos

Fazer uma lista de coisas para fazer ao longo do dia ajuda a focalizar e delinear. O planejamento permite que você entenda quais são as atividades mais importantes e quanto tempo elas levam, evitando desperdiçar energia tentando lembrar o que você precisava fazer.

Você pode optar por usar o método clássico com caneta e papel ou confiar em um dos muitos aplicativos de gerenciamento de tempo disponíveis on-line. O importante é usá-lo de forma consistente.

2.    Mantenha o foco

Ser um empreendedor muitas vezes força você a ser multitarefa, mas tenha cuidado para não fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Concentre-se nas coisas que você precisa fazer, dê prioridade ao espaço e concentre-se em cada uma delas.

Você deve ser o mais preciso e rápido possível, pois seus compromissos sempre serão maiores. Então, se você ainda não tem, é hora de encontrar uma maneira de organizar suas atividades e manter o foco.

Se você acha que não vai perder seu tempo de qualquer forma, tente prestar mais atenção ao que você faz durante o dia e monitore os horários. Provavelmente há algo que faz você passar mais tempo do que deveria, mas ainda não percebeu.

Existem vários aplicativos para gerenciamento de tempo que ajudam você a organizar seu dia de forma eficiente, bem como muitas técnicas a serem aplicadas na prática.

Entendeu por que essa é uma das melhores dicas de gestão?

3.    Invista em você mesmo

Desenvolver um negócio significa investir em sua própria ideia e investir, por sua vez, significa colocar em jogo e arriscar seus recursos econômicos e mentais. Não tenha medo de arriscar se estiver investindo em algo em que realmente acredita.

Reflita sobre as coisas que compõem sua vida cotidiana, e você notará que muitos destes foram obtidos por investir algo em você.

4.    Mantenha a informação em mãos

A informação é muito importante para todas as empresas. Certifique-se de ter acesso aos dados de que precisa a qualquer momento. Em seguida, configure um sistema de arquivamento digital bem organizado e acessível.

Para ser um empreendedor de sucesso, tente desperdiçar o mínimo de tempo possível, especialmente no que diz respeito ao trabalho. Encontre o seu caminho para armazenar fácil e rapidamente o que você precisa.

5.    Cultive relacionamentos

Ser um empreendedor leva você a se concentrar muito em si mesmo e em todas as coisas que você precisa fazer. Mas parte do seu trabalho é encontrar ideias, procurando oportunidades de fazer negócios ou parceiros para o seu negócio. Cultive relacionamentos com as pessoas.

A vida privada e profissional agora ocorre acima de tudo na Internet, mas não negligencie a importância de uma reunião presencial com um cliente ou um colaborador.

A comunicação também ocorre através da linguagem corporal e expressões. Você pode pegar afinidades inesperadas conversando com as pessoas cara a cara. Além disso, você nunca sabe onde sua próxima oportunidade imperdível está escondida. Não se negue nada.

Conclusão

Essas são as melhores dicas de gestão para iniciantes. Ao coloca-las em prática, você notará uma grande melhoria na produção do seu trabalho, e com certeza poderá tirar bom proveito disso. Por isso, o que acha que aproveitar essas dicas agora mesmo.

microempreendedor

O sistema do MEI é muito utilizado em todos os meios empresariais, mas se você é um empreendedor novato, pode está se perguntando o que é MEI e se ele realmente será útil para seu negócio.

Se identificou? Então confira agora mesmo a resposta a sua pérgunta.

O que é MEI?

MEI é uma sigla para Microempreendedor individual. Este é aquele profissional autônomo ou que tem um micronegócio.

MEI é um registro oficial que realizado no governo para estes profissionais.

Depois que o cadastro for realizado, você terá um CNPJ, mas irá precisar emitir a nota fiscal do MEI e irá ter obrigações e direitos como uma pessoa jurídica.

Isso quer dizer quer você pagará impostos a respeito das atividades desenvolvidas.

Porém, estes impostos são bem baixos. Eles chegam a ser menores que os de PME (Pequenas e médias empresas).

Dessa forma, o contador para administrar suas finanças pode ser dispensado.

Agora que você já sabe o que é MEI, vejamos aqui algumas perguntas comuns:

Quanto pago por mês para ser MEI?

Os impostos serão pagos mensalmente. Vejamos abaixo os valores atuais, mas é claro que eles podem sofrer mudanças anualmente:

  • Comércio – R$52,85
  • Prestação de Serviços – R$51,85
  • Indústria – R$47,95

Estes valores já incluem as contribuições de Previdência Social, ICMS e/ou ISS

Quem se cadastra no MEI não precisa pagar outros impostos como IRPJ, PIS, COFINS, IPI e CSLL.

Tenho algum direito trabalhista através do MEI?

Sim, você tem os direitos de um trabalhador contribuinte, como aposentadoria, licença maternidade e até mesmo afastamento remunerado por problemas relacionados a saúde.

Como saber se eu posso ser MEI?

Para saber se você pode ser MEI basta que verifique se a sua atuação está na lista oficial da categoria.

Ele foi criado apenas para regularizar a situação de profissionais que trabalham de modo informal, e dessa forma, beneficia empreendedores que recebem o que chamamos de um teto básico, sendo este estipulado pelo governo.

Em 2018, o MEI era pronto para ganhos anuais de R$ 81 mil. Porém, este valor está em constante reajuste todos os anos. Confira no site do MEI as atividades permitidas para que você saiba se realmente se enquadra nos padrões.

Sabemos assim, que nem todos os profissionais irão se encaixar no MEI. Tais como dentistas, advogados, médicos e outros.

Se você está trabalhando em uma empresa e procura realizar alguma atividade remunerada, você pode ser MEI também, de modo que atenda as exigências de profissionais que se dedicam apenas ao empreendedorismo pessoal.

Porém, não posso deixar de mencionar uma desvantagem um tanto ruim: neste caso, o profissional acaba por perder seu direito ao seguro desemprego após uma demissão sem justa causa.

Isso faz com que algumas pessoas pensem se realmente devem realizar um cadastro no MEI ou não.

Quais as pessoas que não podem ser MEI?

Veja abaixo alguns exemplos de pessoas que não podem ser MEI e qual o motivo:

  • Beneficiados de programas do governo, tais como pensão ou seguro desemprego. No caso de ser o segundo caso, o cadastrado no mei precisa abrir mão de seu benefício a partir do mês seguinte da regularização.
  • Funcionários públicos
  • Estrangeiros com visto provisório brasileiro
  • Proprietários ou sócios (mesmo que majoritário) de outra empresa
  • Profissionais liberais com ganhos acima de R$ 81 mil por ano (confira os valores anuais)

Conclusão

Gostou de saber o que é MEI e outros detalhes importantes? Se sim, não deixe de guardar este artigo em um local de sua preferência. Assim, você pode aproveitar as informações e usá-las conforme o necessário ao se tornar um microempreendedor.